CURADORIA EM MODO CRÍTICO

Crítica e Curadoria
26 FEV, 14h30
FCSH, Edifício ID, Sala Multiusos 2

A VIRADA CURATORIAL
Conferência de Luiz Camilo Osório, com apresentação de João Pedro Cachopo

CURADORIA EM MODO CRÍTICO
Mesa-redonda com David Santos e Paulo Mendes moderada por Sandra Vieira Jürgens

É possível compreender uma exposição enquanto ensaio crítico? Nesta mesa-redonda, dedicada à crítica e curadoria, à prática e ao pensamento de organização de exposições, pretendemos refletir sobre práticas de cultura crítica nesse domínio, privilegiando as tensões e fricções, a diferença e diversidade de posicionamentos, discursos e processos criativos de produção curatorial.

Mais info: https://institutodehistoriadaarte.wordpress.com/2016/02/05/workshop-critica-e-curadoria/

raum – Streaming Egos: Pedro Portugal – Europa Augen

newsletter_20

– PT
Pedro Portugal – Europa Augen
www.raum.pt

Em 1955 um funcionário da BBC, George Campey, propôs o nome EUROVISION à administração desta estação de televisão para sintetizar o nome do primeiro festival da canção: “Continental Television Exchange Song Contest”. A BBC aceitou o nome mas manteve a designação longa nos documentos oficiais.
Este é um exemplo de como no espaço europeu é pensada uma identidade comum, quer ela seja política, económica, cultural ou seja no que se refere à imagem da União Europeia.
Outro exemplo é a proposta de bandeira europeia criada pelo arquitecto Rem Koolhaas em 2001: mistura de todas as cores das bandeiras dos países da UE em barras verticais.
Dentro do formato televisivo, o festival EUROVISION passou a partir dos anos 70 a incorporar um modelo de aproximação unificado, mostrando antes de cada concorrente imagens glorificadoras do país de origem.
Este extracto de imagens em movimento representa um repositório digital que importa reunir porque a sua existência, desde o início, só teve registo numérico.
Europa Augen é um trabalho de soma e montagem com as imagens que são usadas como apresentação das canções no festival da canção EUROVISION entre 1970 e 2015, formando uma matriz de registo à imagem da bandeira proposta por Koolhaas e da normalização digital operada pelo código de barras e armazenamento de informação.

A convite do Goethe-Institut Portugal, Sandra Vieira Jürgens seleccionou quatro artistas – André Alves, Claudia Fischer, Paulo Mendes e Pedro Portugal – para desenvolverem o projecto artístico português na Streaming Egos, iniciativa que tem como objectivo questionar, através de um olhar artístico, de que forma as nossas identidades se multiplicam e transformam no mundo digital e as implicações destas mudanças para a nossa representatividade real e imaginária. Os projectos destes artistas estão pensados de raiz para serem apresentados em ambiente online, através da plataforma raum: residências artísticas online.

Streaming Egos é um projecto organizado pelo Goethe-Institut, em cooperação com o Slow Media Institut de Bona e o NRW-Forum de Düsseldorf, que envolve seis países europeus – Alemanha, Bélgica, Espanha, França, Itália e Portugal. O projecto conta com a curadoria geral de Sabria David e com um co-curador nacional que convida artistas, criadores e autores de várias áreas a criar obras de arte e peças digitais sobre a questão da(s) identidade(s) digital(s).

Uma plataforma digital, disponível em http://blog.goethe.de/streamingegos/, com componentes da social web, possibilita o intercâmbio e a participação de todos os intervenientes e dos utilizadores.

— EN

Pedro Portugal – Europa Augen

In 1955, BBC staffer George Campey proposed the name EUROVISION to the Corporation’s management as a snappier alternative to the initial title “Continental Television Exchange Song Contest”. The BBC accepted the name, although it continued to use the longer version in official documents.
This is an example of how the concept of a shared identity permeates the European territory, whether in terms of politics, economy, culture or simply the image of a European Union. Another such example is the European flag proposed by architect Rem Koolhaas in 2001, which combines the colours found in the flags of every EU member country in the form of vertical stripes.
From the ‘70s onwards, the EUROVISION Song Contest television format featured a unified motif of togetherness, introducing each contestant with images glorifying their country of origin. This selection of moving images constitutes a digital repository worthy of being collected, as from the very beginning it has existed in digital format only.
Europa Augen is a project in which the images used to introduce the songs from the EUROVISION contests from 1970 to 2015 are combined and edited to create a record in the likeness of the flag proposed by Koolhaas and the digital standardisation employed in bar codes and data storage.

At the invitation of the Goethe Institute Portugal, curator Sandra Vieira Jürgens selected four artists – André Alves, Claudia Fischer, Paulo Mendes and Pedro Portugal – to work on the Portuguese Streaming Egos project, an initiative which aims to question the way in which our identifies are multiplied and transformed in the digital world, and the implications of these changes for our real and imagined representativeness. The contributions of these artists are designed from the outset to be presented in an online environment using the raum: online artist residencies platform.

Streaming Egos is a project organised by the Goethe Institute in cooperation with the Slow Media Institute in Bonn and the NRW-Forum in Düsseldorf, involving six European countries: Germany, Belgium, Spain, France, Italy and Portugal. The project is curated by Sabria David in conjunction with a co-curator in each country who invites artists, creatives and authors from a wide range of fields to conceive works of art and digital creations on the topic of digital identity(ies).

Participation and interaction among all contributors and users is made possible by an online platform with social web components, accessible at http://blog.goethe.de/streamingegos/.

raum– Streaming Egos: Paulo Mendes – Política do povo, propostas para o turismo intemporal em Portugal

newsletter_19

Paulo Mendes – Política do povo, propostas para o turismo intemporal em Portugal
http://www.raum.pt

Este projecto é sobre a construção da identidade de Portugal, das identidades, das iconografias, dos códigos, da retórica simbólica do período do Estado Novo até ao presente democrático: o espaço geográfico, assinalado por um Padrão; as variações percentuais numa curva sobre um plano cartesiano de forma a explicitar as propriedades de uma função; a história vendida como publicidade enganosa, perdida numa caixa electrónica de spam, mentira histórica reduzida a lixo electrónico. Monumentos nacionais da incontinência patriótica! A identidade política, a identidade turística, a identidade internacional: “Portugal não é um país pequeno”.

A convite do Goethe-Institut Portugal, Sandra Vieira Jürgens seleccionou quatro artistas – André Alves, Claudia Fischer, Paulo Mendes e Pedro Portugal – para desenvolverem o projecto artístico português na Streaming Egos, iniciativa que tem como objectivo questionar, através de um olhar artístico, de que forma as nossas identidades se multiplicam e transformam no mundo digital e as implicações destas mudanças para a nossa representatividade real e imaginária. Os projectos destes artistas estão pensados de raiz para serem apresentados em ambiente online, através da plataforma raum: residências artísticas online.

Streaming Egos é um projecto organizado pelo Goethe-Institut, em cooperação com o Slow Media Institut de Bona e o NRW-Forum de Düsseldorf, que envolve seis países europeus – Alemanha, Bélgica, Espanha, França, Itália e Portugal. O projecto conta com a curadoria geral de Sabria David e com um co-curador nacional que convida artistas, criadores e autores de várias áreas a criar obras de arte e peças digitais sobre a questão da(s) identidade(s) digital(s).

Uma plataforma digital, disponível em http://blog.goethe.de/streamingegos/, com componentes da social web, possibilita o intercâmbio e a participação de todos os intervenientes e dos utilizadores.

 

— EN

Paulo Mendes – Policy of the people, proposals for atemporal tourism in Portugal

This project is about the construction Portugal’s identity – identities, iconographies, codes, symbolic rhetoric from the Estado Novo era up to the democratic present: the geographical sphere, marked by a pattern; the percentage changes of a curve on a Cartesian plane intended to make explicit the properties of a function; history sold as deceptive advertising, lost in an email spam folder, historical lies reduced to electronic rubbish. National monuments of patriotic incontinence! Political identity, touristic identity, international identity: “Portugal is not a small country”.

At the invitation of the Goethe Institute Portugal, curator Sandra Vieira Jürgens selected four artists – André Alves, Claudia Fischer, Paulo Mendes and Pedro Portugal – to work on the Portuguese Streaming Egos project, an initiative which aims to question the way in which our identifies are multiplied and transformed in the digital world, and the implications of these changes for our real and imagined representativeness. The contributions of these artists are designed from the outset to be presented in an online environment using the raum: online artist residencies platform.

Streaming Egos is a project organised by the Goethe Institute in cooperation with the Slow Media Institute in Bonn and the NRW-Forum in Düsseldorf, involving six European countries: Germany, Belgium, Spain, France, Italy and Portugal. The project is curated by Sabria David in conjunction with a co-curator in each country who invites artists, creatives and authors from a wide range of fields to conceive works of art and digital creations on the topic of digital identity(ies).

Participation and interaction among all contributors and users is made possible by an online platform with social web components, accessible at http://blog.goethe.de/streamingegos/.

Site no WordPress.com.