raum na edição impressa do jornal OJE

“Arte e cultura
Plataforma Raum
Sabe o que é?”, entrevista de Catarina da Ponte, pp. 34 e 35

OJE_raum_entrevista_28_11_2014_ok_Page_1 OJE_raum_entrevista_28_11_2014_ok_Page_2

Anúncios

Apresentação da raum: residências artísticas online | Museu Coleção Berardo

Apresentação MBerardo_imagem

Apresentação da raum: residências artísticas online | Museu Coleção Berardo
12 de Novembro 2014

>>>  Museu Coleção Berardo / Vídeos

raum: Doc’s Kingdom – Seminário Internacional sobre Cinema Documental

newsletter_6

raum: residências artísticas online
Doc’s Kingdom – Seminário Internacional sobre Cinema Documental
Um mapa – Ana Eliseu e Nuno Lisboa

www.raum.pt

> PT

Este é um dos vários mapas imaginários e incompletos que se conhecem de um arquipélago formado ao longo de vários anos, entre o Alentejo e os Açores. Existem, evidentemente, muitas variantes deste mapa de correntes: algumas coordenadas podem ser encontradas no arquivo, do qual cada versão do mapa é um guia alternativo; outras referências estão perdidas, não se encontrando actualmente mais do que transcrições traduzidas de relatos em segunda mão. Os habitantes destas ilhas residem no Doc’s Kingdom (não é o “reino do documentário”, mas uma referência ao filme homónimo que Robert Kramer realizou em Portugal): ao longo das onze edições do Seminário Internacional sobre Cinema Documental realizadas desde 2000, em Serpa, no Faial e no Pico, alguns deles, como Erika Kramer, regressaram várias vezes ao lugar de encontro; outros não chegaram a cruzar-se, mas participam entretanto numa conversa em várias línguas que nunca teve lugar. O mapa é um pequeno depósito de mentiras; uma rádio-grafia que extraiu cada voz de um fluxo vivo colectivo. Nas várias ilhas, discutem-se os mais diversos domínios: política, etnografia, arte, literatura, economia, cinema, documentário, ficção… Junto a um vulcão, justifica-se mais uma vez “a ideia de deslocarmos as pessoas para este lugar”. No centro do arquipélago, a conversa centra-se nas relações entre a mentira e a verdade, a imagem e a História, a imponderabilidade do presente, os elementos do cinema. Mas não chegamos a ouvir Sergei Dvortsevoy repetir (o que disse em Serpa, à segunda jornada do primeiro encontro, no dia 12 de Outubro do ano 2000) que “cada corte é uma mentira, e depois… em cada corte matamos a vida…” Entre dois cortes, quem fala reúne toda a comunidade, como um lugar pode condensar toda a memória do mundo. O museu, o umbral, o pátio ou a espiral são alguns desses lugares que se podem encontrar neste mapa.

———————-

> EN

This is one of the several known imaginary and incomplete maps of an archipelago formed through a number of years, between Alentejo and the Azores. There are evidently many variants of this map of currents: a few coordinates can be found in the archive*, of which each version of the map is an alternative guide; other references seem to have been lost, with only translated transcriptions of second hand reports presently remaining. The inhabitants of these islands reside in Doc’s Kingdom (not the “kingdom of documentary”, but a reference to the homonymous film Robert Kramer shot in Portugal): along eleven editions of Doc’s Kingdom International Seminar on Documentary Film, some of them, such as Erika Kramer, have returned several times to the meeting point. Others didn’t have the chance to meet, but are nevertheless participating in a multilingual conversation that never took place. The map is a small deposit of lies; a radio-graph that extracted each voice from a collective living flux. On the different islands, several domains are being discussed: politics, ethnography, art, literature, economy, cinema, documentary, fiction… Next to a volcano, “the idea of bringing these persons to this place” is justified once again. In the center of the archipelago, the conversation focuses on the relations between truth and lie, image and History, the imponderability of present, the elements of cinema. Finally, we don’t have the chance to listen to Sergei Dvortsevoy repeating (what he said during the second journey of the first gathering, on October 12th, 2000) that “each cut is a lie, and… in every cut we kill life…” Between two cuts, she who speaks gathers the whole community as a place that can condense all the memory in the world. The museum, the threshold, the courtyard and the spiral are some of those places that can be found on this map.

raum: Museu Berardo_Pedro Neves Marques. Os Jurupixuna

newsletter_5

Pedro Neves Marques
The Jurupixuna

Museu Coleção Berardo
——————————–

> PT
Sobre o projecto:
Pedro Neves Marques e os Jurupixuna,
de Pedro Lapa

> EN
About the project:
Pedro Neves Marques and the Jurupixuna,
by Pedro Lapa

>>>>www.raum.pt

raum: Museu Berardo_Pedro Neves Marques. Os Jurupixuna

Imagem lançamento_Newsletter

Apresentação da residência artística “Pedro Neves Marques. Os Jurupixuna” e da plataforma raum: residências artísticas online

12 de Novembro de 2014, 18h00, no Museu Coleção Berardo

Site no WordPress.com.