Natxo Checa. Catálogo do Pavilhão de Portugal na Bienal de Veneza 2009


(Original: Sandra Vieira Jürgens, «Natxo Checa», Experiments and Observations on Different Kinds of Air. Catálogo da representação portuguesa na 53. International Art Exhibition – La Biennale di Venezia, DGArtes, Lisboa, 2009, p. lxi).


Natxo Checa é director da Galeria Zé dos Bois (ZDB), um importante espaço independente situado em Lisboa dedicado à criação, produção e difusão artística que constitui uma referência da cultura contemporânea portuguesa.

Exercendo as actividades de gestão, produção, programação e comissariado desta plataforma, impulsiona desde 1994 um movimento de produção artística independente com um papel determinante na mudança de perspectiva das artes visuais em Portugal. Desenvolve um modelo original de programação que conjuga propostas inovadoras no âmbito das artes visuais, performativas e da música que tem contribuído para a implementação de uma dinâmica potenciadora de oferta artística com grande impacto no meio cultural nacional.

A sua actuação na área da curadoria inclui a apresentação de projectos de múltiplos artistas nacionais e internacionais, com obras produzidas de raiz, na área da arte pública, da pintura, do desenho, da escultura, da instalação, da fotografia, do vídeo ou do filme em 16 mm que resultaram de um acompanhamento curatorial realizado desde o período de investigação em estreita colaboração com os criadores. De entre as mais recentes exposições destacam-se: Swim again / Nada de novo de Rigo (2006), em co-curadoria com ManRay Hsu; G (2007) de João Tabarra; Transitioners (2007) de Société Réaliste; Portobello (2008) de Patrícia Almeida; e Ontem (2008) de André Cepeda.

No âmbito da actividade curatorial de exposições de artes visuais realizadas na ZDB, tem acompanhado e produzido, desde 2001, um conjunto notável de projectos artísticos de João Maria Gusmão e Pedro Paiva. DeParamnésia (2002), Eflúvio Magnético (2004/2006) e Abissologia (2007/2008) são os projectos mais ambiciosos do percurso expositivo desta dupla de artistas.

Enquanto agente cultural, a sua actividade tem incluído outras iniciativas como a direcção do Festival Atlântico em 1995, 1997 e 1999 e a viabilização de numerosas intervenções, colaborando com estruturas nas áreas das artes visuais, do multimédia, das novas músicas, da dança e do teatro. No âmbito da pesquisa desenvolvida nos estudos curatoriais foi-lhe concedida a bolsa Fund for Art Research, em 2007/08, pelo American Center Fundation.

Actualmente está a organizar um ciclo dedicado ao norte-americano Kenneth Anger, que incluirá uma exposição colectiva de artes visuais de âmbito internacional e uma mostra antológica do realizador, além de um programa de palestras e performances. No âmbito das actividades da Galeria Zé dos Bois, prepara para o segundo semestre de 2009 o ano zero de um centro de residências de âmbito internacional de formação avançada sediado em Lisboa, com o apoio de parceiros institucionais de relevo.

Anúncios

Os comentários estão fechados.

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: